sábado, 13 de dezembro de 2008

DISSEMINAÇÂO


Segue flyer do Disseminação III. Sábado, dia 13 de dezembro de 2008.
Participo com uma videoinstalação....

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Série Horizontalidade - Wagner Rossi Campos

***********









A Série Horizontalidade é desdobramento da Série Ponto de Equilíbrio. Nessas imagens - aqui apresento uma delas - meu corpo horizontal e em suspensão dialoga com a evidente verticalidade dos corpos sociais.

Vito Acconci - 1970



Three Relationship Studies - vídeo em super8

domingo, 26 de outubro de 2008

PAUSA

Sou um corpo repleto de contradições, embebido em infinitas citações, instruções, modos de uso, agenciamentos. Mesmo assim, sou ainda um feixe de luz que, em evidente descompasso, reflete sua intensidade e calor nos diversos contatos, efêmeros e fugazes, que insistentemente explodem diante de mim. Minha sombra, delimitando um volume denso e anteparo para outra luminosidade, impele o observador e qualquer ente sensível a dizer com certeza: A luz é externa! Quanta ignorância, já que para se concluir tal fato é necessária outra intensidade de luz capaz de se fartar de razão.

Similarmente, somos insistentemente bombardeados pelo domínio limitado da arte, como forma e produto, e inseridos em um mercado competitivo que orienta e define valores capazes de silenciar forças intensas, transformando certos padrões artísticos e estéticos em verdadeiros enunciados vanguardistas. Dessa condição, nada mais óbvio do que concluirmos também que, diante da arte instituída, nada resta a fazer, já que somos apenas uma sombra, um rastro perante sua magnitude.

Novamente, teimo em insistir na ausência de sensibilidade para o reconhecimento da força e intensidade do corpo, de suas errâncias, desejos, diferenças. Ao nos permitir o abalo pela eficácia do mercado da arte, aliado à complexa rede de comunicação midiática – fábrica glamurizada de prazer e desejo consumista – somos forçados a aceitar um espaço que nega a evidencia das nossas particularidades e capacidades criativas. Ondas e ondas de informação bombardeiam intensamente nossos sentidos e percepções, transformando a vitalidade da existência em um depósito de detritos aguardando solicitação de uso. Perdidos diante de um desejo de adequação, mesmo que aparentemente transgressor, o corpo – seu corpo/meu corpo/nosso corpo – sente-se desconectado daquilo que é essencial para o domínio de si. A arte, manifestação da existência e de sua vitalidade, que processual e experimental definem diferenças múltiplas, não condiz com a restrita capacidade de absorção do mercado.

Opto, nesse momento, por perceber a grandiosidade das idéias, experiências e sensibilidades de um número diverso de artistas e não artistas que, no fluxo caótico da existência, desejam intensamente dizer o que ainda deve ser dito. Dessas presenças, o que fica é a imensurável relação entre a vida do artista e sua obra, uma determinando a existência da outra, alimentando-a, transformando-a, intensificando o contato com o mundo e sua face trágica.


wagner rossi campos

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

imagens da instalação RE/AGente - mostra [ ]e tal...
































































sábado, 11 de outubro de 2008

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Projeto RE/AGente - depoimento 1

Durante a mostra [ ]E TAL... , apresentarei uma videoinstalação. No vídeo, em sequências alternadas, comento algumas especificidades do projeto RE/AGente. Chamo esses comentários de depoimentos 1,2,3.

Aqui o depoimento 1.


video

domingo, 5 de outubro de 2008

RE/AGente. Projeto para mostra de arte no Mamacadela.

Dia 11/10/08 é a abertura da mostra coletiva [ ] e tal... no espaço Mamacadela. O local é uma casa no bairro Santa Tereza, em Belo Horizonte.






Participo dessa mostra com o projeto RE/AGente.
O projeto teve inicio a partir de uma carta/convite que enviei aos artistas da mostra. Como é um projeto que privilegia o processo, o contato e a troca, dia a dia elaboro uma e outra questão que surge...

Apresento aqui a carta/convite que enviei aos artistas participantes.


Convido-o a participar da realização do meu trabalho que, em parte, é a apresentação do seu trabalho. Caso aceite, enviarei, via e-mail, a fotografia - fotoperformance - de uma ação realizada por mim para a câmera fotográfica. Nessa foto, meu corpo está nu e invertido sobre uma cadeira preta. Ao receber essa imagem, você deve criar ou se apropriar de algum objeto, desenho, pintura, texto verbal e tal... que, de alguma forma, crie uma relação de contato entre você e a imagem que recebeu.
O resultado dessa aproximação originará ações simbólicas e prováveis objetos.
Confirme sua participação respondendo esse e-mail. Em seguida, enviarei a imagem para sua apreciação.
As dimensões máximas para sua criação devem se restringir a 50x50x50cm.

Os trabalhos originados a partir daí, incluíndo o seu, é o que será exposto no espaço determinado para o meu trabalho.
A montagem dos trabalhos desenvolvidos é de minha responsabilidade, e sua participação será evidenciada no espaço da mostra com os dizeres:
nome do trabalho: RE/AGente / wagner rossi em colaboração com : nome dos participantes (o seu incluído.)

Durante a mostra, na abertura, uma pessoa se encarregará de distribuir, entre os visitantes, um impresso com a mesma imagem fotográfica recebida por você.
Essa proximidade do espectador com a "obra" impressa fortalecerá o vínculo entre a imagem que ofereço e o seu trabalho, exposto no espaço do meu trabalho.

Embaralhando os códigos e lugares definidores do que é meu e seu que o trabalho se abre para o outro.

Aguardo sua resposta, desejando uma feliz parceria entre nós.

sábado, 4 de outubro de 2008

ZIKZIRA - Projeto Solilóquios 2008- Eduardo Fukushima


O zikzira espaço ação apresenta a segunda etapa do projeto ‘Soliloquios’ 2008, com solo Brasileiro de Eduardo Fukushima.

Mediadora:
Helena Katz (jornalista, professora PUC/SP)
Um manifesto pessoal, um depoimento não verbal.
Uma urgência latente.
Escolhido dentre 305 candidatos de todo Brasil, Eduardo Fukushima apresenta seu trabalho solo.
“Antes dos gestos e movimentos, minha dança nasce de sensações cotidianas, de uma urgência e necessidade de comunicação. A questão neste trabalho surgiu a partir do próprio movimento, ele o principal condutor de uma razão para dançar. Estou interessado em questões do meu corpo neste momento, sua situação. Chego a um corpo em contenções, reflexo desse tempo e dessa sociedade e entre contenções criam-se inúmeras possibilidades.”
Eduardo Fukushima
Entrada franca
Censura livre
Os ingressos poderão ser retirados 1 hora antes do espetáculo no local.

Dias 04 e 05 de outubro. Local: Zikzira Physical Theatre
Rua Laplace 18a, Santa Lúcia, Belo Horizonte, MG, CEP 30130-005
31 32930833

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Arte é pra se viver nela.




Venho ampliando formas de pensar meu trabalho como artista e, assim, reforçando relações entre vida e arte. O assunto já é batido e situado dentro de contextos vanguardistas da segunda metade do século XX, mas, ao mesmo tempo, continua fresco e aberto a experiências e propostas que teimam em insistir. Não poderia ser diferente, já que estamos imersos em múltiplas realidades plenas de imagens e, de alguma forma, tudo isso me remete a momentos distantes no tempo, onde o corpo repleto de simbologias secretas – imagens mentais e reais oscilando entre o dentro e o fora - dialogava de forma presencial com o mundo.





Junto à pesquisa que venho realizando, em que o corpo é acontecimento dado a ser visto, sentido, amado, vivido, venho percebendo encontros como ações ativadoras de espaços e energias – internas e externas. Estas ativações do vivo, plenas de desejo e vitalidade, reforçam minha convicção de que a arte é elemento favorável à troca jubilosa, ativa e criativa.







Arte é pra se viver nela!

Assim, heis que ontem estive num “clubinho”. Ou melhor, no clubinho. O clubinho é um nome qualquer - ou o nome próprio - de um grupo de artistas amigos. Não sei se sou do clubinho, mas, de qualquer forma, participei dele e nessa presença, vivi muito do que disse há pouco. Experiência imersiva de troca e afetividade, alegria e força inventiva. Tudo bem caótico, mas a própria manifestação da vida em sua força e abertura ao que está por vir.









Dessas experiências não se aprende nem se interpreta, vive-se! Mas e as imagens?
A imagem é um elemento, ela é recorte. Por isso o recorte materializa um objeto que pode vir a ser inserido no “universo” da arte. Pensando sobre isso, observo como cada escolha, cada opção, cada percurso e experiência vêm carregado de sua determinação. Essas determinações e escolhas originam lugares muitas vezes pré-fixados dentro do contexto da arte instituída, mas, também, permitem renovadas atitudes, contatos e contágios que, desdobrando-se no tempo/espaço, unificam ações em rede. Na complexidade desses fluxos de vida, momentos são transbordamentos que, se espalhando pelos campos altamente fecundos, germinam novas e novas associações e trocas.









Não quero mais diferenciar a vida da arte. Somente ampliando minhas concepções e limites, somente o meu pensar livre e aberto podem favorecer a existência de uma manifestação artística localizada, recortada. Lente de aumento sobre uma faceta da realidade da experiência estética. O essencial, invisível, veste os olhos, a pele, os órgãos, os sentidos diversos.



junto ao texto, algumas fotos feitas no "clubinho" de ontem.
participaram eu, Dani, Júlio, Marco, Clarice, Camila e João.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Ambientes Virtuais e Campos de Imersão - EIA 2008



















Ambientes virtuais e campos de imersão

Amadeu Zoe e Márcio Black (barulho.org)
Diogo (Cooperativa Laudelina)
Lucas Bambozzi

mediação: Caio Fazolin

CCSP
Sala 0 - Piso Flávio de Carvalho
Rua Vergueiro, 1000
São Paulo

11 de setembro
quinta-feira
19 h


Será também uma boa oportunidade para apresentarmos a nova proposta
de trabalho do EIA para a semana de imersão desse ano e nos reencontramos.

DEBATES 2008

São encontros entre atores urbanos cujo objetivo é definir e ativar elementos chave para o JOGO, como: possíveis locais para casas do jogo, levantamento de mídias disponíveis para arquivar e divulgar pistas e aprofundamento de temáticas e discussões de inspiração para o desenvolvimento de um jogador urbano.

É um momento em que todos, debatedores e participantes, se reconhecem como jogadores e começam a desenhar juntos os campos de imersão. Cada debatedor apresenta suas realidades e pesquisas cotidianas na urbes e depois contribui com a criação da SEMANA DE IMERSÃO. O debatedor é um ator urbano que está envolvido com algum grupo ou comunidade urbana.


1º Debate 2008:


"Ambientes virtuais e Campos de imersão"

Objetivo: Integrar o tabuleiro cibernético aos corpos, às ruas, comunidades e cidadãos. Discutir como os ambientes virtuais podem contribuir no estabelecimento, expansão e fortalecimento das redes coletivas e como a ampliação do acesso à tecnologia e suas possibilidades são estratégicas na transformação das relações sociais.

Debatedores/ Atores Urbanos:

Diogo- integrante da Cooperativa Laudelina, desenvolve redes e sites em software livre.

Amadeu Zoe – (Barulho.org) Mestrando em Geografia Humana na USP com o tema "A implantação da Internet no Brasil, o conceito de rede e a geografia dos fluxos informacionais no século XXI", Amadeu é professor de "Criação de Mídias" no colégio Miguel de Cervantes. Também atua como produtor e editor da web rádio "DADA Rádio", apresentando o programa "Electrojazz" além de produtor dos eventos e festas de rua do coleteivo barulho.org, que tem como princípio a organização de apresentações visuais e sonoras como forma a reapropriar-se temporariamente do espaço público como lugar de encontro e troca.

Lucas Bambozzi- artista plástico e video maker

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

sábado, 23 de agosto de 2008

PERFORMANCE PRESENTE FUTURO - Dias 29, 30 e 31 de agosto no Oi FUTURO - RIO




Durante três dias, de 29 a 31 de agosto, o Oi Futuro recebe Performance Presente Futuro, um evento interdisciplinar dedicado à multiplicidade da arte da performance e sua integração com recursos tecnológicos e científicos, percebidos em uma parte da produção performática atual. A programação, com entrada franca, reúne exibição de videoperformances de artistas como Wagner Rossi, Amilcar Packer, Sara Ramo, João Penoni, além da participação de Chelpa Ferro, Maurício Ianês, Pontogor, Vivian Caccuri, Ana Montenegro e Edgar Ulysses e da Cia Teatro Autônomo, e palestras de Maria Beatriz de Medeiros, Orlan e Ricardo Dominguez.

Performance Presente Futuro reúne pesquisas artísticas e trabalhos inéditos em que a ciência e a tecnologia estão presentes como fundamento e não somente como fetiche. As propostas exibidas nestes três dias de mostra são fruto da vontade de artistas em compreender a humanidade pós-orgânica em um mundo que se quer mais tecnológico, mas que também precisa resgatar sua harmonia natural para garantir permanência ao homem, animal que cria e destrói, voraz. Durante três dias, o quarto piso do Oi Futuro recebe ações ao vivo, vídeos performáticos e palestras de artistas que, apoiados em tecnologias diversas, elucubram sobre o cotidiano humano em meio urbano, hoje totalmente permeado por recursos mecânicos, eletrônicos e digitais.

“Ferramentas como gravação e projeção de imagens, amplificação de sons, atos em telepresença e intervenções cirúrgicas manipulam os componentes de obras-ato, efêmeras por natureza, prolongando o corpo do artista, rearranjando narrativas e temporalidades desta que é considerada uma arte ao vivo e presencial por princípio. Essa é primeira vez que um evento discute essas relações entre arte performática e ferramentas tecnológicas”, explica Daniela Labra, curadora do projeto.

Um dos destaques do evento é a palestra com a artista francesa Orlan, na sexta-feira, dia 29, às 19h30. Nascida em Saint-Etienne, Orlan surpreendeu o mundo quando, entre 1990 a 1993, protagonizou uma série de nove cirurgias performáticas, filmadas e difundidas em instituições ao redor do planeta. Atualmente, ela trabalha com escultura e fotografia digital para a série Auto Hibridizações ao mesmo tempo em que trabalha com biotecnologias.

terça-feira, 29 de julho de 2008

ANPAP - Associação Nacional de Pesquisa em Artes Plásticas

A ANPAP - Associação Nacional de Pesquisa em Artes Plásticas, foi fundada em 1987.
Os encontros organizados anualmente pela ANPAP têm sido os grandes marcos do desenvolvimento da pesquisa em Arte no país, promovendo intercâmbios entre universidades, entre universidades e outras instituições, entre artistas autônomos e a comunidade científica, bem como discutindo e divulgando as pesquisas levadas a efeito em todo o Brasil.

Para o 17º ENCONTRO NACIONAL, que acontece de 18 a 23 de agosto de 2008 em Florianópolis/SC, apresentamos um trabalho em co-autoria - eu, Patrícia Franca e Daniella de Moura - com o título: Pensando a imagem do corpo.

Maiores informações sobre a ANPAP e o encontro deste ano, acesse o site http://www.anpap.org.br/

sábado, 12 de julho de 2008

VERBO 2008 - Galeria Vermelho/SP

Recebi um e-mail da Galeria Vermelho sobre a Verbo 2008. Pela importância da iniciativa, envolvendo a exposição, o estudo e a reflexão sobre a arte da performance, incluo o release no blog.



A VERBO, evento de performance que ocorre anualmente na galeria Vermelho, chega à sua quarta edição apresentando 51 projetos que refletem o campo de tensão representado pela performance na arte atual. São fotos, instalações, performances, vídeos e stills de vídeo que apontam para a tentativa do artista de colocar em perspectiva um diálogo com o observador através do seu corpo. Elementos carnais da iconografia tradicional serão apresentados em contraposição à assepsia do cubo branco em trabalhos que sugerem a dependência, o cuidado, a necessidade de compromisso e de dominação.

A seleção de trabalhos aponta também para o poder associado ao sagrado, ao profano, às rotinas do cotidiano e à dor infligida pelo homem a si mesmo e aos outros. Atos de violência, rotinas diárias de alimentação, respiração, reprodução e sexualidade que, por conta da natureza civilizada do homem não aparecem em público, especialmente em situações onde a tradição limita a liberdade individual.

Além disso, a VERBO 08 apresenta também ações que abordam questões relacionadas ao estatuto da performance na arte atual, como, sua inserção institucional e no mercado de arte; sua aproximação com outras mídias, e, por último, sua atual eficácia como instrumento crítico e de resistência ao sistema vigente.

Para discutir tais questões, o Centro Cultural São Paulo em parceria com a Vermelho, criaram o seminário Verbo Conjugado que ocorrerá paralelamente às ações na galeria. Dividido em quatro dias, o seminário discutirá temas como, Performance e Documentação, Performance e Reencenação, Performance e Resistência Cultural, entre outros, e conta com a participação de artistas e intelectuais de várias áreas. Simultaneamente, o Mariantonia - Centro Universitário da USP, programou o curso Performance em Expansão que pretende apresentar uma análise da performance a partir de suas origens, abordando suas várias faces e articulações com outras práticas artísticas (mais informações abaixo).

Relação de artistas:: Amilcar Packer (SP), Ana Maria Tavares (SP), André Komatsu (SP), Cadu (RJ), Carla Zaccagnini (SP), Carlos Monroy (Bogotá, Colômbia), Cris Bierrenbach (SP), Farias & Mettler (Brasil, Suíça), 3D (SP), Daniel Fagundes (SP), Daniel Murgel (RJ), Fabiano Marques (SP), FrenchMottershead (Londres, Inglaterra), Glaucia Mayer (RJ), Grupo Bijari (SP), Síssi Fonseca e Hugo Fortes (SP), Jaime Lauriano (SP), Juliana Notari (Recife), Laerte Ramos (SP), Leandro Lima e Gisela Motta (SP), Leya Mira Brander (SP), Lia Chaia (SP), Luiz Alfredo Guedes (SP), Manuela Marques (Paris, França), Marcelo Cidade (SP), Marcio Banfi (SP), Marco Paulo Rolla (Belo Horizonte), Massimo Grimaldi e Sabina Grasso (Milão, Itália), Maurício Ianês (SP), Michel Groisman (RJ), Nicolás Robbio (SP), OPÁVIVARA + Grupo UM (RJ), Rafael Assef (SP), Renato Hofer (SP), Ricardo Carioba (SP), Rosângela Rennó (RJ), Rose Akras (Amsterdã, Holanda), SUPERFLEX (Dinamarca), Thelma Bonavita e Cristian Duarte (SP), Tiago Judas (SP),Tiago Primo (RJ), Yiftah Peled (Florianópolis) e Yuri Firmeza (Belo Horizonte).

EXPOSIÇÃO:: VERBO 2008
PERFORMANCES:: DE 15 DE JULHO A 18 DE JULHO DE 2008, DAS 20 ÀS 22H30, 19 DE JULHO DAS 11 ÀS 20H
EXPOSIÇÃO:: DE 15 DE JULHO A 09 DE AGOSTO DE 2008. Terças a sextas das 10 às 19 e sábados das 11 às 17h.
ENTRADA GRATUITA
HORÁRIOS E INFORMAÇÕES::
www.agenciaverbo.com e www.galeriavermelho.com.br
VERMELHO
RUA MINAS GERAIS, 350 - 01244010 - SÃO PAULO - TEL.: 11 3257 2033

sexta-feira, 13 de junho de 2008









TRABALHOS DA SÉRIE PONTO DE EQUILÍBRIO - WAGNER ROSSI - 2008

segunda-feira, 12 de maio de 2008

TERCEIRO ESPAÇO - curadoria de WAGNER ROSSI e ALEXANDRE HYPÓLITO

TERCEIRO ESPAÇO - Galeria Emma Thomas

Apresentação

A exposição Terceiro Espaço é uma coletiva de artistas do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. A proposta é unir artistas e trabalhos dos dois Estados, não implicando em determinar especificidades regionais, mas sim convergir percursos e propostas para um terceiro lugar aparentemente neutro.
A Galeria Emma Thomas, em São Paulo é, então, o espaço para o diálogo entre estas produções, atuando como um entremeio capaz de propiciar à exploração das diversas possibilidades que surgem nesse encontro.
Contudo, por ser um lugar com características específicas – geográficas, cartográficas, sociais, culturais – a galeria funciona também, nesse caso, como espaço de transformação e reorganização das propostas que acolhe, influindo ativamente na apresentação dos trabalhos.
Nessa hibridização, própria de uma confluência de diferenças, a Emma Thomas atua como um espaço de contato aberto e mutável.

Sobre a curadoria:

Os curadores Wagner Rossi e Alexandre Hypólito optaram por trabalhar com a idéia de caminhada e percurso. Tanto no que se refere à produção individual de cada artista, quanto pela característica do deslocamento geográfico (um ir para).
Sem uma definição pré-concebida e limitadora de percursos e experiências, a mostra contempla um número generoso de artistas envolvidos em momentos distintos de produção e prática artística.
Assim, não havendo uma linguagem específica ou unificadora nesta produção, o que pode ser apreendido é a grande variedade de processos e suportes, conceitos e proposições.
Entre os trabalhos escolhidos, o corpo e a paisagem são dois temas evidentes. Não fechados em seus conceitos rígidos, mas abertos a trocas e sentidos múltiplos. Aqui, corpo e paisagem não se fixam, são transitoriedades direcionadoras de deslocamentos conceituais que permitem assimilar corpo como paisagem e paisagem como corpo, definindo a amplitude simbólica, estética e textual como forças capazes de evidenciar a impossibilidade de fusão entre as diferenças, sejam elas culturais, geográficas, sociais ou políticas.


Artistas de Minas Gerais – curadoria de Wagner Rossi

Galeria:

Daniella de Moura
Patrícia Franca
Paulo Nazareth
Rodrigo Castro de Jesus
Rodrigo Mogiz

Área externa da galeria:

Cássia Macieira
José Paulo Neves
Luciana Lyrio


Artistas do Rio de Janeiro – curadoria de Alexandre Hypólito

Galeria:

Felix Richter
Julia Debasse
Tereza Costa
Winnie Colvin

Área Externa da galeria:

Gabriela Mureb
Miguel Bandeira
Pedro França


texto: Wagner Rossi

quarta-feira, 26 de março de 2008

ZIKZIRA Espaço-Ação










Kim
Global Warming






Contemplado pelo Prêmio Cena Minas o espaço abre inscrições para o projeto “Solilóquio”.


Em 2008, o espaço da continuidade a seu programa variado e internacional chamado ‘ação contraria’, apresentando o projeto Solilóquio, onde demonstra o não confinamento nas suas formas de abordagem cênicas; dando a oportunidade para artistas que tenham uma característica singular a realização de cenas individuais, onde a forma dramática do discurso em que o corpo extravasa de maneira ordenada ou não, os seus pensamentos e emoções em monólogos ou solos, sem dirigir-se especificamente a qualquer ouvinte, criando assim um tempo no espaço onde o privilegio de testemunhar um ato de ações físicas se torna público.

As inscrições podem ser feitas pelo site www.zikzira.com/actionspace


Primeiro Solo da serie “Solilóquios”

Global Warming

O premiado bailarino coreano Sung hwa Kim explora em seu trabalho solo, o transmutável, aquilo que é vidente a um processo de perpetuo recomeço, um recomeço arcaico e urbano.

Sunghwa-Kim
Graduado pela Deok Won Arts School, da Coréia do Sul, Sunghwa-Kim tem ganhado vários prêmios de melhor bailarino em seu país especialmente por participações em festivais, entre eles, The Pusan Dance Festival, International Exibition Memorial Festival, Art Summit, New Generation Festival, 12th Korean National Dance Festival, e Seul International Dance Festival. Sunghwa-Kim atuou no espetáculo Eu vos liberto da Cia Zikzira .

Os ingressos poderam ser retirados 1 hora antes do espetaculo.
09 e10 de maio as 21:00hs
Entrata franca.
Rua Laplace 18ª santa lucia
(31)32930833

www.zikzira.com/actionspace


Release enviado pela Fernanda Lippi

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Improvável Presença - 2007

Imagens da ação/instalação Improvável Presença, realizada no bar Família Paulista, durante o evento ARTE NO BANHEIRO - comidadibuteco/2007. Belo Horizonte-MG

Utilizado como utensílio de limpeza, o balde é objeto necessário nos processos cotidianos de higiene dos espaços habitáveis. Na instalação/intervenção Improvável Presença, o balde foi o elemento que me permitiu propor contatos improváveis entre o meu corpo e o ambiente dos banheiros. Além dele, as paredes foram cobertas de tinta vermelha e uma lâmpada vermelha substituiu a tradicional luz branca.
Como o nome do trabalho sugere, ocorre um estranhamento na organização dos objetos – baldes – instalados no banheiro, oportunizando novas posturas e diálogos do corpo diante desses elementos e do ambiente.
Subvertendo sua função utilitária e localização velada, o balde é, aqui, presença estética e relacional.
Improváveis posturas foram exploradas por mim, ao fotografar proposições do meu corpo no ambiente, expondo-as nas portas dos banheiros